sábado, 22 de junho de 2013

O Ato Médico e a Psicologia

Vou tentar expor de forma didática como o “ato médico” interfere no exercício da profissão de psicólogo e nas competências legais do Conselho Federal de Psicologia. 

A principal polêmica em torno do ‘ato médico’ gira em torno do Art. 4º - I que diz o seguinte:

“Art. 4º - São atividades privativas do médico:
I – formulação do diagnóstico nosológico e respectiva prescrição terapêutica;”
O § 1º define o diagnóstico nosológico:

“§ 1º Diagnóstico nosológico privativo do médico, para os efeitos desta Lei, restringe-se à determinação da doença que acomete o ser humano, aqui definida como interrupção, cessação ou distúrbio da função do corpo, sistema ou órgão, caracterizada por no mínimo 2 (dois) dos seguintes critérios:
I – agente etiológico reconhecido;
II – grupo identificável de sinais ou sintomas;
III – alterações anatômicas ou psicopatológicas.”

Enfim, o § 3º estabelece que “doença” é tudo que aparece listado e classificado no CID-10:

“§ 3º As doenças, para os efeitos desta Lei, encontram-se referenciadas na décima revisão da Classificação Estatística Internacional de Doenças e Problemas Relacionados à Saúde.”

Em que isso interfere no exercício da profissão de psicólogo? O diagnóstico psicopatológico, incluindo a depressão e os transtornos de ansiedade, sempre esteve incluído na prática do diagnóstico psicológico. Com a aprovação do “ato médico”, tanto o diagnóstico quanto a prescrição terapêutica das enfermidades psicopatológicas passam a ser privativas de médico. Isso retira dos psicólogos, por exemplo, a autonomia para diagnosticar a depressão e tratá-la com psicoterapia. Somente o médico está agora legalmente habilitado para diagnosticar depressão e indicar o tratamento a ela.

O que vem gerando incerteza nessa interpretação é o § 2º, que diz o seguinte:

“§ 2º Não são privativos do médico os diagnósticos funcional, cinésio-funcional, psicológico, nutricional e ambiental, e as avaliações comportamental e das capacidades mental, sensorial e perceptocognitiva.”

Nesse parágrafo, o “ato médico” expressa o reconhecimento do diagnóstico psicológico e a competência do psicólogo para realizá-lo. Esse parágrafo convenceu, inclusive, alguns psicólogos de que o “ato médico” preserva a profissão do psicólogo e não a invade em nada. Entretanto, a regulamentação da Psicologia não define, em momento algum, o que vem a ser o diagnóstico psicológico. A inclusão do diagnóstico psicopatológico no diagnóstico psicológico sempre foi prática, jamais sendo formalizada. O CFP não tomou o cuidado de definir em lei o diagnóstico psicológico, ao contrário do que muito bem fizeram os proponentes do “ato médico” em relação ao diagnóstico nosológico. Assim, uma vez que o diagnóstico nosológico é agora privativo de médicos, ele passa a ser automaticamente excluído do diagnóstico psicológico, não importando se a prática do psicólogo, desde sua regulamentação, sempre tenha feito do diagnóstico psicopatológico um item do diagnóstico psicológico.

Qual a sugestão do Conselho Federal de Psicologia à redação do “ato médico”? O CFP sugeriu que a redação do Art. 4º fosse modificada de:

“São atividades privativas do médico:
I – formulação do diagnóstico nosológico e respectiva prescrição terapêutica;”

Para:

“São atividades privativas do médico:
I – formulação do diagnóstico médico e respectiva prescrição terapêutica;”

O que mudaria com essa reformulação?

A avaliação de personalidade, por exemplo, não é privativa de psicólogos. O que é privativo de psicólogos é a avaliação de personalidade executada via testes psicológicos. A avaliação de personalidade executada por testes psicológicos constitui ‘diagnóstico psicológico’ e é privativa de psicólogos. Qualquer avaliação de personalidade executada por instrumentos ou procedimentos que não exijam a formação plena em Psicologia não é privativa de psicólogos. O CFP entende que o que deve ser privativo de médicos não é o diagnóstico de doenças, mas o diagnóstico de doenças executado por instrumentos e procedimentos médicos que exijam a plena formação no curso de Medicina. Qualquer diagnóstico executado por instrumentos e procedimentos não-médicos não deve ser privativo de médico.

Em suma, o que deve ser privativo de médicos é o uso do saber teórico e prático constituído pela Medicina e que faz necessária a formação completa em Medicina. Mas, ao invés de tornar o saber e a prática médicas privativos de médicos, o “ato médico” torna privativo de médicos as próprias doenças enquanto objeto de estudo. Segundo o “ato médico”, ninguém mais pode se pronunciar sobre ou exercer qualquer prática ligada a doenças além dos médicos, mesmo que os procedimentos utilizados não sejam médicos.

Nesse sentido, um místico que oferecesse “curas espirituais” estaria sujeito, a partir de agora, a ser processado por exercício ilegal de Medicina. A primeira questão que eu coloco é a seguinte: Como uma pessoa que não se apresenta ao paciente como médico e que não faz uso de qualquer procedimento médico pode ser acusado de praticar a Medicina ilegalmente?

Voltando à relação com a Psicologia: Segundo o CFP, instrumentos e procedimentos psicológicos habilitam o profissional psicólogo no diagnóstico psicopatológico. Assim, na medida em que os psicólogos se utilizem apenas deles, eles estariam praticando o diagnóstico psicopatológico que consta como diagnóstico psicológico, não como diagnóstico médico. Mas, o CFM discorda que instrumentos e procedimentos psicológicos sejam procedentes para o diagnóstico psicopatológico. E ele tem todo o direito de discordar! Vivemos numa democracia, e todos têm o direito de criticar o que bem entender. Entretanto, a única entidade legalmente estabelecida para decidir sobre a procedência de procedimentos psicológicos é o CFP. Se o CFP afirma que procedimentos psicológicos são procedentes no diagnóstico psicopatológico, o CFM tem que acatar. Pode criticar e debater, mas precisa acatar.

Semelhantemente, a classe médica tem todo o direito de se posicionar contrariamente às curas espirituais ou alternativas. Mas, não tem o direito de transformá-las em exercício ilegal de Medicina, uma vez que não há nada nelas que configure algum procedimento médico lecionado nas faculdades de Medicina. É preciso que as práticas alternativas sejam debatidas e combatidas por meios democráticos, não pela imposição de uma lei incoerente.

Com o “ato médico”, a classe médica se outorgou o direito de avaliar procedimentos psicológicos e decretar sua improcedência. Ela pode argumentar que em momento algum o diagnóstico psicopatológico esteve legalmente incluído na definição de diagnóstico psicológico, e ela está certa nesse ponto. E justamente nesse ponto se faz perceber toda a MÁ-FÉ deste projeto de lei como um todo. Uma vez que o CFP não teve o cuidado de definir o diagnóstico psicológico na regulamentação da Psicologia, o CFM tomou para si o direito de lhe estabelecer os limites e as definições que bem entender.

Nesse sentido, pelo uso da má-fé jurídica, o CFM invadiu as competências legais do CFP.

Além de conferir aos médicos a exclusividade no diagnóstico psicopatológico e de sua respectiva prescrição terapêutica, o “ato médico” também pode coibir a pesquisa da Psicologia nessa área. O “ato médico” confere à classe médica a “propriedade privada” das doenças enquanto objeto de estudo. Consequentemente, psicólogos que desejarem desenvolver experimentos comportamentais sobre a depressão, por exemplo, precisarão ser supervisionados por médicos.

O projeto de lei do “ato médico” foi distorcido em seus propósitos desde o início. A razão da regulamentação de uma profissão é estabelecer os limites da atuação daquele profissional. A intenção do “ato médico” nunca foi a de estabelecer limites à atuação dos médicos, já que os médicos podem fazer tudo! Desde o início, a intenção do “ato médico” foi estabelecer limites à atuação dos outros, à atuação dos demais profissionais de saúde, e aí se funda toda a sua má-fé.

Daniel Grandinetti
dgrs1977@gmail.com

* Esta é uma postagem original da página PSICOLOGIA NO COTIDIANO no facebook. Curta a página: https://www.facebook.com/cotidianoepsicologia

8 comentários:

  1. Olá Daniel! Mais um post ótimo!
    É difícil achar bons comentários acerca desse projeto de lei, normalmente são muito tendenciosos e pouco esclarecedores.

    Tenha algumas dúvidas:

    Como o diagnóstico nosológico restringe-se às doenças listadas no CID-10, não entendo porque práticas místicas seriam consideradas exercício ilegal da medicina.

    Em relação ao diagnóstico psicopatológico, li um comentário que me fez pensar... Para fazer um diagnóstico com base no DSM-IV é preciso excluir que os sintomas estejam sendo causados por desordens orgânicas (hipotireoidismo e anemia, por exemplo), e nós, como psicólogos (na verdade estou no 4o ano ainda...), não temos condições de fazer essas avaliações de caráter biológico.

    O que você pensa a respeito?

    Um abraço!
    Mário Kistenmacher

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Mario;

      Os místicos também tentam curar câncer e outras doenças. E como agora todo tratamento de doença será privativo de médico, independente do método utilizado, legalmente eles podem ser processados. Sobre sua última questão, sugiro esse texto:

      https://www.facebook.com/cotidianoepsicologia/posts/207429662714340

      Abraço!

      Excluir
    2. Você não respondeu a pergunta do rapaz. O que você pensa a respeito disso:

      "Em relação ao diagnóstico psicopatológico, li um comentário que me fez pensar... Para fazer um diagnóstico com base no DSM-IV é preciso excluir que os sintomas estejam sendo causados por desordens orgânicas (hipotireoidismo e anemia, por exemplo), e nós, como psicólogos (na verdade estou no 4o ano ainda...), não temos condições de fazer essas avaliações de caráter biológico."


      estou curioso para a resposta.

      Abraço!

      Rafael César

      Excluir
    3. Resposta: https://www.facebook.com/cotidianoepsicologia/posts/207429662714340

      Excluir
  2. Olá Daniel.

    Muito bom seu texto. Me ajudou no esclarecimento de muitas dúvidas.
    Mas ainda tenho uma. Eu, enquanto profissional da área clínica não costuma fechar diagnósticos sem o parecer de um médico. Faço isso até por segurança pois gosto de dividir a responsabilidade para quando tenho um paciente com diagnóstico de doença mental. Porém, fico a me indagar em situações que o paciente procura a psicoterapia para autoconhecimento, por exemplo. Mesmo em situações assim será necessário um atendimento pelo médico para que seja descartada a hipótese de transtornos? E caso isto seja necessário, será o médico que determinará quantas sessões o paciente pode fazer?

    Obrigada pela atenção.

    abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não acho que em casos como "procura de autoconhecimento" vai ahver interferência. E, mesmo no caso em que a prescrição terapêutica for por conta do médico, quem decidirá como botar a prescrição em prática é o psicólogo. O que vai mudar é que você não vai mais poder "fechar" diagnóstico algum, mesmo em auxílio com um médico. O único profissional que vai poder fechar esses diagnósticos agora é o médico.

      Excluir
    2. Meu terapeuta tem corrigido diagnósticos de psiquiatras. E agora? O que importa é a competência de análise comportamental do profissional!

      Excluir
  3. Olá, tenho um blog que divulga eventos gratuitos na área da psicologia, se vc se interessar, acesse: existepsicologiaemsp.blogspot.com.br! Um abraço!

    ResponderExcluir